sexta-feira, 12 de julho de 2013

Super Herois



"A única coisa que mantemos sobre controle é a ilusão que mantemos o controle sobre alguma coisa" - anónimo













E a vida dá tantas voltas …

Já conheci  alguns heróis. Em tempos privei com um de muito perto. Até o julgava conhecer, forte, arrogante, convencido, individualista, egoísta, inteligente, independente, destemido, lutador, quase invencível. Um verdadeiro super herói. Passa o tempo a dizer ao espelho  eu sou muito bom, muito giro, todas as gajas olham para mim e eu como as que quiser. Sou um ser superior , sou genial e como sou um génio, uso-as e deito-as fora a meu bel prazer. Isto também se aplica ao resto do comum dos mortais . Vivo no meu mundo, sou auto-suficiente e não preciso de ninguém. Afasto toda a gente que me chateie,  sou como o flautista de Hamelin e arrasto mulheres como ratazanas ao som da minha música, sou a reencarnação do macho cabrão e manipulador e quem não me aceitar e se sujeitar ao que eu quero, tem bom remédio. O mundo é meu, eu controlo o que me rodeia, eu domino, eu sou o mundo.  Aceitem-me como sou ou então é porque não gostam de mim!!!

Pois, a vida dá muitas voltas, tantas, que por vezes a porta que fechámos é exactamente a porta que nos convinha e que precisávamos que se abrisse de repente para nós, e que dessa porta saíssem uns braços que nos agarrassem, nos amparassem na queda, e um colo que nos desse mimo. Todos os heróis, mesmo os super heróis, mesmo os que se julgam invencíveis, precisam, às vezes,  de ouvir um estímulo, de sentir que os apoiam. Precisam de um abraço...

Sem excepção, claro, este herói sente-se cansado, esgotado, cheio de dúvidas, chora em segredo, sente as pernas tremerem, os joelhos a dobrarem, o ânimo a esgotar-se, está prestes a tombar. Não fala porque o orgulho é mais forte, não pede ajuda porque demonstraria fraqueza e isso não é coisa que um ser superior faça... mas ao longe, pelo reflexo do que em tempos foi, vejo-o aos poucos a largar a espada com que combate os inimigos e afasta os amigos, a perder o escudo que barra a amizade e o amor, a largar a couraça que veste e o faz parecer mais forte, mais poderoso, mais temível.

Somos aquilo que deixamos que a vida faça connosco. Somos o resultado das nossas escolhas, temos que as assumir, conviver com elas e seguir em frente. Fico um pouco triste por o saber meio perdido e sozinho, gostava do seu ar orgulhoso e desafiador, gostava da sua brilhante armadura de cavaleiro andante à conquista da vida, das mulheres, da ambição do sucesso. Mesmo sem brilho será sempre um Super herói.

Só queria dizer que não é vergonha, nem sinal de fraqueza dizermos “estou cansado”, “não aguento mais”. Eu sou muito boa a dar mimos mas isso é só para quem merece e para quem sabe tudo... 




(Este texto foi escrito como comment a um post num blog que segui. Não sei se o dono do blog o publicará, por isso decidi posta-lo aqui)


Post update (dia 17 /7/2013):
O meu comment não foi publicado pelo autor do blog, como já era esperado. 


2 comentários:

  1. nao sou nenhum super herói.sou o primeiro a assumir a minha fragilidade e a necessidade de carinho e atenção. e não digo isto com segundas intenções, como hás de perceber.
    beijos

    hoje comecei a ler-te do princípio! é justo. e quero. :)

    ResponderEliminar